O triunfo de Boric no Chile não é uma vitória da classe trabalhadora

Por Julio Cota,via, El Machete, Órgão do CC do Partido Comunista do México (PCM), traduzido por Marcelo Bamonte

A recente vitória eleitoral de Gabriel Boric não representa uma solução radical para a atual crise econômica e política no Chile. Os trabalhadores chilenos e outras camadas populares devem continuar sua luta frontal contra qualquer gestão ou governo capitalista. Manter grandes expectativas de mudança ou mesmo se contentar com o “menos pior” é uma armadilha para a classe trabalhadora chilena, imposta pelos monopólios e pela burguesia.

Vamos aos fatos e à experiência histórica para lembrar quais resultados a participação no jogo da democracia burguesa trouxe para a classe trabalhadora.

Em primeiro lugar, Gabriel Boric representa os interesses da democracia cristã, os mesmos grupos conservadores que, no início dos anos noventa, concordaram com a saída do tirano Augusto Pinochet e com a ditadura militar, mas sem romper a sua Constituição ou as elites militares no poder. O mesmo grupo político e econômico da chamada Concertación, que por mais de uma década prometeu mudanças profundas em favor das camadas sociais médias e populares; e, ao contrário, acabou implementando reformas anti-operárias e anti-populares.

Não há saída positiva para os profundos problemas da classe trabalhadora chilena no jogo da democracia burguesa. Vimos isso nas últimas duas décadas: grandes movimentos políticos e sociais contra os esforços neoliberais. Depois, a chegada de governos “progressistas”, muito discurso anti-imperialista e nacionalismo, medidas e implementação de programas sociais com certa margem econômica para as camadas populares. E então, após um curto período de governo, cortes orçamentários na educação, saúde e aplicação de reformas trabalhistas em detrimento dos trabalhadores e mais repressão.

O chamado progressismo na América Latina é mais uma forma de gestão dos governos burgueses em tempos de crise econômica capitalista. Nessas duas últimas décadas, o saldo geral foi negativo para a classe trabalhadora chilena e as camadas populares. O Estado chileno, como órgão administrativo dos interesses da burguesia, se fortaleceu e conseguiu superar uma certa legitimidade que havia perdido após duas décadas da feroz ditadura militar de Pinochet. Pior ainda, após o desencanto das camadas populares chilenas com os esforços do período do Concertación e de Michelle Bachelet, os governos reacionários assumiram a administração do Estado, como foi o caso de Sebastián Piñera.

A infeliz experiência da União Popular e do governo de Salvador Allende deu-nos dolorosas lições, mas o oportunismo até hoje quer esconder: não são possíveis caminhos pacíficos e parlamentares para o socialismo, sem a destruição da velha, burocrática e decadente maquinaria do Estado; mudanças verdadeiras não são possíveis. Chame isso de Concertación, democracia representativa, democracia cristã, social-democracia, nova esquerda, maré alta, etc., etc., o que todas essas correntes representam é mais uma face da ditadura da burguesia e do poder dos monopólios sobre o trabalho chileno classe.

Tanto com López Obrador no México quanto com Gabriel Boric no Chile, a burguesia replica esforços semelhantes do governo para conter a crescente insubordinação da classe trabalhadora e das camadas populares. Diante da impossível solução de raiz para problemas econômicos, políticos e sociais como saúde universal, educação gratuita, empregos bem remunerados com benefícios e direitos trabalhistas; a burguesia opta por governos demagógicos cujo programa de governo gira em torno de uma promessa ridícula de “combate à corrupção, transparência e eficiência administrativa”.

Além dos rostos fabricados de ex-dirigentes estudantis de 2011, como o atual presidente do Chile, Gabriel Boric; há um jovem rebelde, insatisfeito e insubordinado na linha de frente das barricadas, sem medo e pronto para continuar a luta. Há a confiança de que, mais cedo ou mais tarde, a rebelde classe trabalhadora chilena, as camadas populares rebeldes saberão assumir o protesto de rua junto com os estudantes e povos indígenas da região.

Ao mesmo tempo, estou confiante de que as organizações revolucionárias chilenas saberão intervir de maneira mais contundente com um programa e uma política de classes ante a falência da social-democracia e seu miserável programa de reformas.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário