Terceirização da exploração: cadeias globais de valor-trabalho

Por Intan Suwandi, via Open Democracy, traduzido por Vinícius de Araújo

Por meio de seu controle sobre as cadeias de produção, as multinacionais sediadas no norte global exploram os trabalhadores no sul global.

Fast Retailing, a empresa japonesa por trás da marca de vestuário Uniqlo, é “a segunda maior confecção em valor de mercado”, atrás da empresa espanhola Zara. Em 2015, os lucros operacionais da Uniqlo Japão, por si só, tiveram um crescimento de 10,3%. Em 2018, as ações da empresa “subiram mais de 75% durante o ano passado”, e a riqueza do CEO da empresa, Tadashi Yanai, alcançou US$ 25,4 bilhões – o dobro da quantia de 2016. Tudo isso se deveu à “expansão constante nos mercados internacionais e a acordos com a estrela do tênis Roger Federer e o golfista Adam Scott”. A Uniqlo realmente tem grandes ambições, posicionando-se como um “agente influente na indústria da moda”, face a face com seus concorrentes europeus estabelecidos.

Dentro do mesmo período, dois mil trabalhadores indonésios que costuravam produtos Uniqlo foram demitidos com salários não pagos e sem indenização. Seu empregador, fornecedor indonésio da Uniqlo, entrou em falência em 2015, alegadamente depois que a multinacional parou suas encomendas devido a “problemas de qualidade”. Também foi relatado que o fornecedor se envolveu em violações trabalhistas, incluindo horas extras não remuneradas e falência do sindicato. Estes trabalhadores exigiram que a Uniqlo assumisse a responsabilidade e pagasse a dívida de US$ 5,5 milhões de salários atrasados e indenizações. Em novembro de 2018, a Uniqlo concordou em reunir-se com representantes dos trabalhadores apenas para rejeitar qualquer forma de responsabilidade concreta. Em contraste com o aumento da riqueza de Yanai e os negócios garantidos por Federer e Scott, os trabalhadores não receberam nada. O motivo da recusa é um clássico: a Uniqlo alegou que não tinha nenhuma obrigação legal em cumprir as exigências destes trabalhadores, já que a culpa era de seu fornecedor, e não sua própria.

Nas últimas décadas, desde que a prática de contratos de fornecimento por terceirização — nos quais as multinacionais subcontratam sua produção a fornecedores dependentes no exterior — passou a caracterizar as cadeias globais de mercadorias, casos como este têm sido muito comuns. Afinal, a produção globalizada contemporânea é projetada para ser altamente flexível, para que possa ser rapidamente deslocada para outro lugar sempre que houver um aumento nos custos unitários de trabalho, onde a produção acontece.

Recentemente, devido à crescente pressão dos trabalhadores, sindicatos e organizações que os apoiam, alguns destes casos — nos quais as fábricas dos fornecedores foram fechadas abruptamente e seus trabalhadores foram abandonados — resultaram em multinacionais pagando salários em atraso e indenizações aos trabalhadores na forma de “fundos de caridade”, às vezes até fornecendo-lhes treinamento profissional ou diferentes empregos. Mas se as multinacionais decidem não compensar esses trabalhadores ou fazer vista grossa diante de tais degradações (como muitas vezes fazem), não é o único problema. Em sua essência, casos como estes não se referem apenas a violações das práticas trabalhistas ou dos códigos de conduta das empresas. Ao contrário, eles revelam um problema mais profundo: as profundas relações imperialistas que caracterizam a economia mundial capitalista.

Cadeias globais de valor-trabalho

Como vemos essas relações? Se olharmos os custos unitários de trabalho —apresentados tipicamente como o custo médio de trabalho por unidade de produção de trabalho — podemos obter uma imagem de como funcionam as cadeias globais de mercadorias, ou o que eu chamo de cadeias globais de valor-trabalho. Combinando uma medição de salários e produtividade, dados recentes de custos de trabalho unitários mostram que os países com maior participação em cadeias globais de valor-trabalho — sendo os três primeiros a China, Índia e Indonésia — também têm custos de trabalho unitários muito baixos. O mesmo vale para outros países do Sul global, incluindo o México, que sofreu um declínio acentuado nos custos de trabalho unitários em relação aos Estados Unidos no período 1995-2014, refletindo duas décadas de flexibilização da mão de obra.

Isto significa que não só os salários são baixos nestes países, mas também que a produtividade é alta. Isto resulta em margens de lucro muito maiores para as multinacionais — normalmente sediadas na tríade Estados Unidos, Europa Ocidental e Japão — com o valor adicional gerado frequentemente creditado à produção dos países em que estas multinacionais estão sediadas. O processo geral é um dos acumuladores de riqueza nestes países do Norte, através de uma forma de intercâmbio desigual que envolve a captura de valor.

Mas como estes mecanismos aparentemente abstratos e de dimensões macro da economia mundial se relacionam com a miséria dos trabalhadores indonésios que costuram roupas para a Uniqlo? Cadeias globais de valor-trabalho levam a mecanismos de produção que beneficiam as multinacionais, as quais, em grande medida, controlam essas cadeias, principalmente através do gerenciamento de sua mão-de-obra, um processo geralmente realizado por fornecedores que as multinacionais subcontratam. Mas, ao contrário do que comumente se acredita — que esta má conduta deve ser atribuída inteiramente aos subcontratados pelos quais as multinacionais não têm responsabilidade direta —, estas megacorporações globais são de fato atores ativos na exploração destes trabalhadores, embora este envolvimento seja muitas vezes escondido sob uma série de processos vistos como “negócios normais“, e às vezes disfarçados de “práticas comerciais justas” na forma de padrões internacionais.

A partir de meus estudos de caso de fornecedores indonésios que atendem a multinacionais que produzem bens de consumo de alta rotatividade, fica claro que existem vários mecanismos de controle que ocorrem dentro de cadeias globais de valor-trabalho, e eles geralmente são de dois níveis. (Estes fornecedores estão longe do estereótipo da fábrica de confecções que normalmente lida com empresas que fazem vestuário como a Uniqlo, mas como veremos, eles estão sujeitos aos mesmos processos). Em primeiro lugar, as multinacionais impõem condições rígidas e muitas vezes exigências pouco razoáveis a seus fornecedores e, em segundo lugar, tais condições e exigências levam à reorganização do trabalho nas fábricas desses fornecedores, aumentando a exploração de seus trabalhadores.

Como as multinacionais controlam as cadeias de valor

O resultado deste estudo pode ser lido em meu próximo livro, Value Chains: The New Economic Imperialism, mas o quadro geral é o seguinte. Ter multinacionais como clientes é frequentemente considerado como altamente prestigioso para fornecedores no Sul global, em parte devido a margens de lucro decentes e volumes estáveis, mas principalmente porque serve como um bilhete para um status “VIP”, o que lhes promete melhores negócios e repetição de grandes pedidos. Portanto, muitos fornecedores estão mais do que dispostos a atender as exigências das multinacionais, mesmo que muitas vezes não sejam razoáveis e levem a dificuldades contínuas em seu processo de produção.

E estas demandas são atendidas, em sua maioria, não através de ameaças diretas (embora estas também existam), mas através da imposição de estratégias corporativas de racionalização sistêmica e produção flexível, que começaram nos anos 70 (alguns argumentam que em meados dos anos 80) e são continuamente preservadas por novas tecnologias de informação, visando estabelecer processos de produção, administração e distribuição que sejam mais econômicos e dotados de maior flexibilidade.

Por exemplo, devido à imposição da entrega sob demanda por parte das multinacionais, os fornecedores são pressionados a implementar o que eles chamam de uma política de amortecimento (“buffering policy”). Ou seja, é imperativo que esses fornecedores preparem seus produtos acabados e os armazenem em seus depósitos para serem enviados somente quando suas clientes multinacionais precisarem deles. Não apenas estas mercadorias têm que ser enviadas sempre que os clientes as exigirem, mas o fornecedor também deve estar pronto para acomodar qualquer aumento ou diminuição súbita na demanda de produtos em falta na previsão inicial do cliente. Em um dos fornecedores que estudei, eles criaram uma política para acomodar até vinte por cento de aumento ou diminuição das necessidades de seus principais clientes. Isto cria uma série de problemas, especialmente em relação aos altos custos devidos ao armazenamento (tanto de produtos acabados quanto de matérias-primas) e ao de acomodar mudanças nos processos de produção, o que muitas vezes cria enormes desperdícios – tanto de produtos como de mão-de-obra – da parte dos fornecedores.

Como isso beneficia as multinacionais? Multinacionais terceirizam sua produção para externalizar os custos resultantes da produção flexível necessária para acomodar as demandas flutuantes do mercado. Desta forma, sua taxa de lucro não está em risco. As multinacionais não querem colocar a totalidade deste ônus sobre si mesmas ou sobre suas próprias subsidiárias, já que desta forma elas devem arcar com os custos. Por isso, elas transferem uma grande parte deste encargo para seus fornecedores. Este fato por si só perturba a produtividade e a eficiência do fornecedor e, como resultado, eles têm que enfrentar constantemente conflitos dentro de sua própria gestão, bem como mudar sua organização de trabalho de forma a compensar a perda resultante do desperdício desta produção.

No final, através desta reorganização do trabalho, a exploração dos trabalhadores é intensificada. Tal reorganização do trabalho geralmente inclui estratégias que podem forçar os trabalhadores a aumentar sua produtividade, enquanto os salários ficam estagnados. Uma maneira de fazer isso é limitando o trabalho adicional. As multinacionais garantem que seus fornecedores cumprem a regulamentação nacional que limita as horas extras, monitorando estas empresas dependentes neste e em outros aspectos através de organizações terceirizadas que auditam os fornecedores e emitem certificados de padronização. O problema é que as exigências das multinacionais por uma produção mais flexível muitas vezes obrigam os fornecedores a exigir funcionários que trabalhem mais horas. Uma maneira de se livrar deste problema é forçar os trabalhadores a trabalharem de forma mais produtiva, e os fornecedores fazem isso através de vários meios, incluindo o aumento do controle rígido e direto da mão-de-obra no chão de fábrica, bem como a aplicação de um sistema de incentivos e uma medição específica do desempenho individual ou do grupo que recompensaria os trabalhadores “produtivos” e puniria aqueles que não atingissem as metas de produção.

A contínua reorganização do trabalho implementado no local da produção, com o objetivo de satisfazer as exigências dos clientes multinacionais, no final se torna um mecanismo significativo dentro das cadeias de valor-trabalho, facilitando a extrema exploração da mão-de-obra no Sul global pelo Norte. Clientes multinacionais aproveitam-se das políticas e práticas de gestão conduzidas pelos patrões nas empresas dependentes. Todas estas práticas são viabilizadas pela desqualificação do trabalho que transformou os trabalhadores em “meros executantes” de tarefas e assim os tornou vulneráveis.

Bolas e correntes

Voltando ao caso Uniqlo, então, pode ser verdade, como a empresa alegou, que ela não tem nenhuma obrigação legal de cobrir os prejuízos de seus fornecedores ou de compensar seus trabalhadores demitidos. Mas como o ator que detém o maior controle e poder dentro das cadeias, constituindo o início e o fim da cadeia, a empresa por trás da Uniqlo é diretamente responsável por estes trabalhadores. Não apenas em termos de “responsabilidades morais” ou “ética empresarial” ou cumprimento de seus códigos de conduta, mas em uma perspectiva que leve em conta todo o processo de exploração que ocorre nas cadeias globais de valor-trabalho, onde as multinacionais podem direta e indiretamente controlar como a produção ocorre nas fábricas de seus fornecedores, e como a mão-de-obra deve ser gerenciada exigindo que os fornecedores reduzam seus custos e aumentem a produtividade de seus empregados.

Este processo no qual o capital do Norte global pode exercer controle sobre o trabalho do Sul global mostra a falácia da afirmação de que estas interligadas cadeias globais de valor são caracterizadas por uma descentralização do poder. Ao contrário, este é um sistema de bolas e correntes no qual o capital do Norte está numa posição de comando. Ao impor a desigualdade, tais cadeias são típicas de nossa atual economia mundial. Este fenômeno não é um resultado inevitável e neutro da “globalização”, mas uma nova fase do imperialismo, utilizada pelo capital e seus instrumentos estatais para impor, nas palavras de Samir Amin, uma “série de exigências pelas quais eles exercem seu controle sobre os sistemas produtivos da periferia do capitalismo global”.

O imperialismo, em outras palavras, está vivo e bem vivo. Pode assumir novas formas, mas é tão nefasto como sempre.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Posts recentes

Mais lidos

Deixe um comentário